BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

terça-feira, 13 de setembro de 2022

É Outono meu amor


 É Outono meu amor...o meu rosto perdeu toda a candura

O meu corpo já não é mais flor...a minha pele não é cetim

As tuas mãos não são afago e os gestos perderam a ternura

Os meus cabelos embranqueceram...a boca já não é carmim


É Outono meu amor...o Inverno vem chegando tristemente

O sol já se apagou e a noite eterna vai descendo sobre mim

O tempo vai correndo sem parar e eu morrendo lentamente

De braços estendidos ao infinito caminho para o fim do fim


É Outono meu amor...enegreceram as rosas que me adornaram

A minha alma já partiu para o lugar de onde não se pode voltar

O meu corpo é da chama as cinzas...as ilusões já se apagaram

E vestida de noite embalo nos braços o silêncio para te esperar


É Outono meu amor...o passado não volta...o tempo não espera

E eu já estou morta sem morrer e continuo vivendo sem viver

Na dor silenciosa que não se ouve que vem do céu ou da terra

Que orvalha os meus olhos e amordaça e fere todo o meu ser


É Outono meu amor...a claridade já não ilumina a madrugada

A penumbra vai escurecendo o brilho que tinha no meu olhar

Quando o céu era azul e a noite um eterno manto de alvorada

Hoje sou estrela cadente procurando no infinito um fio de luar


É Outono meu amor...o meu corpo jaz sob mortalha ardente

E coberto de cinzas como se fosse uma pedra adormecida

Ou a chama gélida de uma vela a extinguir-se lentamente

E quando o meu tempo findar...afaga o meu rosto sem vida



Rosa Maria ( Maria Rosa de Almeida Branquinho)

29 comentários:

  1. Querida amiga Rosa Maria, bom dia!
    A repetição do "É Outono meu amor" faz um efeito tão pertinente ao sentimento que ronda cada estrofe do seu poema. É um eco pertinente, Outono é tempo de introspecção...

    "A penumbra vai escurecendo o brilho que tinha no meu olhar.
    Quando o céu era azul e a noite um eterno manto de alvorada...

    Especialmente o que recortei me tocou o 💙 muito.
    Muita coisa vai mudando pela vida afora, como as Estações do ano.
    Muito bonito, querida!
    Tenha dias abençoados!
    Beijinhos
    💐😘

    ResponderEliminar
  2. Maravilhoso... Fico sem adjectivos para exprimir o que sinto ao ler os seus poemas

    ResponderEliminar
  3. Que lindo,Rosa! Poema que nos encanta bem como cada outono e estação da vida! beijos, chica

    ResponderEliminar
  4. Querida amiga que poema genial...mas triste. 🤩 Gostaria de te sentir animada...mas percebo que tbm tenho essas fases. Beijinho grd de 💖

    ResponderEliminar
  5. Um poema belo, mas nostálgico, como o é o outono, principalmente o outono da vida. Caminhamos para o inverno, tempo frio e escuro que não me agrada nada, assim como temo o meu caminhar para essa estação que nos anuncia o fim; embora todos saibamos que, ao nascer já estamos condenados a partir, o receio é inevitável; como diz o Gilberto Gil, numa canção maravilhosa, " não tenho medo da morte, tenho, sim, medo de morrer", é isso que nos assusta, pois em geral, essa hora chega com muito sofrimento. Mas, não adianta reclamar, pois a vida não se compadece; vivamos um dia de cada vez, da melhor maneira possivel, pedindo-lhe que seja benevolente na nossa hora de partir. Entretanto, amemos sempre, pois o amor ajuda a ultrapassar os obstáculos da vida. Um beijinho, Rosa e que os teus dias sejam abençoados com saúde
    Emilia 🙏 👏

    ResponderEliminar
  6. Ele, o Outono (emocional) está em nós através do estado espirito num determinado momento e não apenas em data de calendário.
    O Outono é em muitos momentos como nos sentirmos tal qual a árvore de folha caduca que no ballet das folhas caindo, nos despe a alma e faz listar pensamentos profundos, mas que seja também uma promessa de que por aí virá mais tarde a renovação e o entendimento dos dias mais cinzentos dando-lhes alguma luz.
    Gostei de ler, de pensar acerca, e de sentir a partilha na sua essência.
    Beijinho amiga poetisa, resto de dia muito feliz!

    ResponderEliminar
  7. Eu, infelizmente, sou muito pequeno para comentar obras primas, verdadeiras relíquias poéticas!! "Hoje sou estrela cadente procurando no infinito um raio de luar". Você é a estrela cadente, o raio de luar e a própria poesia. Não sei como adjetivar um anjo poético.

    ResponderEliminar
  8. Um poema magnífico.
    Gostei imenso, parabéns pelo seu talento para a poesia.
    Já há muito tempo que não a visitava, mas gostei de a voltar a ler.
    Continuação de boa semana.
    Beijo, Rosa Maria.

    ResponderEliminar
  9. Não há como fugir desse outono que, melancolicamente, descreveu. Você foi percorrendo os caminhos com versos de grande beleza. Bjs.

    ResponderEliminar
  10. Tão bonito e simultaneamente tão triste.
    Abraço e saúde

    ResponderEliminar
  11. Um poema sentido, nostálgico, emotivo, poema de muita beleza, urdido de sentimentos, e é assim a Poeta vai levantando a crosta das recordações que os anos não apagaram da sua memória, a dor transvasa por vezes nas palavras com que ela engrandece o poema, entrando assim no coração dos leitores.

    Sempre muito belo amiga
    Um amistoso abraço, tudo bom

    ResponderEliminar
  12. Um poema triste, chega o Outono, prenúncio do Inverno sombrio.
    Mas haverá sempre Luz...
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar

  13. Olá, Sonhadora

    O depois do Outono vem o Inverno mas logo a seguir
    a Primavera, tempo de renovação dos pensamentos e
    da natureza. Tudo nos volta a sorrir e as emoções
    também se toenam mais leves.
    Poema lindo, lamentos de alma amorosa.
    Bom fim de semana.
    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar
  14. Tão bonito, e tão tristinho. Espero que seja o outono da renovação, quando a gente deixa as flores velhas irem, para virem novas.

    ResponderEliminar
  15. Realmente, a nossa vida é uma viagem cujo termo pode não mais ter regresso.
    Apesar do tom lamentoso que carateriza todo o texto poético ele encerra uma verdade de que todos devemos ter consciência.
    Abraço amigo.
    Juvenal Nunes

    ResponderEliminar
  16. Desejo-lhe um bom regresso e este excelente poema é um presente que agradeço!

    Beijinho, bom final de semana :)

    ResponderEliminar
  17. Um poema nostálgico, sentido, profundo e sublime, que toca o nosso coração.
    Que o outono da vida chegue, com tons dourados e brisas suaves.
    Beijinhos minha amiga

    ResponderEliminar
  18. Muito bonito. Quantas vezes não nos sentimos assim?!
    O Outono traz a sua nostalgia, tal como o outono da vida. Mas tem o seu encanto e não é ainda frio inverno. Que bem se aproveite cada momento!

    Beijinhos e tudo de bom, amiga Rosa Maria!

    ResponderEliminar
  19. Embora não seja fã do Outono, não é por isso que deixo de reconhecer que a sua nostalgia é a paz nas folhas que nos falam dum florido que findou.
    Mas , e o teu outono? A melancolia que caracteriza o teu estilo é de uma beleza que que nos traz o remanso da serenidade levando-nos à conformação e aceitação do advir.
    Simplesmete maravilhoso minha querida Rosa Maria!
    Fazias falta com a tua Arte!
    Abraço!
    ( E que linda foto!)

    ResponderEliminar
  20. Sim! É Outono!
    Esperemos que seja um outono que nos traga muita paz e amor e sobretudo que restabeleça alguns dos equilíbrios e desastres ambientais que tanto têm afetado a natureza!

    Um abraço para ti e votos de um bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  21. Poema nostálgico que respira o amor em tempos de outono.
    Um balanço de vida e de esperas.
    Belissimo poema com profundos dizeres e sentires.
    Parabéns! Feliz retorno querida!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  22. Belo, profundo e dotado de um pouco de tristeza. Parabéns Rosa!

    Abraços,

    Furtado

    ResponderEliminar
  23. Um poema repleto de nostálgia, mas magnífico. Parabéns beijo

    ResponderEliminar
  24. Querida Sonhadora,
    Seus versos sempre
    encantando a todos
    nós!
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  25. Querida Rosa, o Outono da vida é como o da Natureza...só não se renovará jamais em Primavera futura.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  26. Gosto do Outono. É a minha estavão do ano preferida. Que me inspira assim.
    Chegou o Outono!
    O sol espreita retraído,
    cobrindo a cidade de ocres
    e sombras inclinadas.
    O ar vai-se pintando de fumo
    que a humidade deixa desenhar
    em boladas de mil formas;
    enquanto os braseiros
    vão aquecendo o corpo.
    Já se percebe o cheiro,
    que invade o Porto,
    a castanhas assadas…
    Stª Catarina, Boavista,
    Praça dos Leões,
    Ribeira ou Foz.
    É a magia do Outono
    que da infância guardo,
    no culto ao São Martinho,
    com vinho novo e alegria!

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Amigos são velas acesas ao fundo da escuridão
alumiando o caminhode volta...a presença doce e
serena numa noite de tempestade...são o abraço
suave da vida...palavras ditas muitas vezes em
silêncio aquecendo a alma e o coração.

Um beijinho carinhoso a todos que por aqui passam.
Sonhadora